Pular para o conteúdo principal

#35 – Circuito Sesc – Etapa Sobral – 2017

Minha quarta participação seguida nesse circuito. Quase tudo muito igual. Então, para não cansar a leitura, vamos ao que foi “diferente”. O resto você pode encontrar aqui, aqui e aqui.

A camisa foi diferente. Desta vez com mangas e o material melhor! Dá pra treinar com ela, acredito.


Desta vez, o chip estava grudado no número de peito. Uma coisa a menos pra enganchar no corpo. Além disso, no kit, apenas encartes.

Já no domingo, cheguei por volta de 6h20min, estacionei na Boulevard João Barbosa (bem próximo à igreja) e fui encontrando o pessoal conhecido.

Veja só a classe para a foto. Não sei como em tempos de internet as agências de modelo não me contrataram ainda… Foto: Camilla Lopes.

A disposição das tendas na praça São Francisco também foi diferente. Agora, lá é final de linha de vans para cidades vizinhas, então a parte da praça oposta ao Santuário de São Francisco, não foi o local do pódio. Desta forma, ruas não interditadas e menos segurança para o aquecimento.

Já no funil de largada estava conversando com o prof. Do Carmo, que me fez um convite para um rachinha de futsal aos sábados. Óia! No meio da conversa avistei o Felipe Pereira, mas quando fui falar com ele, foi dada a largada. Lembro que a última vez em que olhei para o relógio do pórtico, esse marcava 20 segundos.

Percurso igual, corredores com comportamento igual (paredinhas, paredões e andarilhos), sol das 7h mas com menos força do que o habitual.

Água a cada 2km, geladinha…

Lá pelo quilômetro 4 meu relógio apagou. Isso que dá correr com equipamento de 20 reais. Mas depois que fui assaltado, é o que a coragem permite levar. Até ando com um aparelho celular estilhaçado que não pega mais chip, mas que ainda tem o GPS funcionando. Mas hoje queria menos peso nas calças.

Por volta do quilômetro 7, uma mulher passando mal. Uns metros a frente, quatro jovens, tipo “Menudos do Vale do Acaraú” vão correndo e tirando selfies – como eu adoro esse lance de selfie, gente – e fazendo o paredão. Carros à direita. Parei e soltei um PQP puxando bem no U e trincando os dentes a partir do “que”. “Macho, abre!”. Nem sei se usei o pronome (ou substantivo!? ou adjetivo!?) correto, mas…

Já depois do quilômetro 9, na praça do abrigo, um colega corredor passou mal mesmo. O pessoal do staff estava com dificuldades para levantá-lo. Vi que o motoqueiro da Guarda Civil acionava a ambulância – quando cheguei na concentração vi que avisaram pelo microfone o nome do corredor e solicitavam a presença de algum conhecido.

Metros à frente, quando finalmente havia um espaço livre entre mim e um fotógrafo, a moça do staff começa a berrar, berrar e berrar e ele deixa de apontar a câmera para quem vinha correndo para tirar foto da moçoila. PQP II. Passei, mas fiquei tão irado que uns 10 metros depois voltei, correndo mesmo, e falei “Pô cara, tira foto de quem tá correndo. A moça ai tá parada, depois você faz o book dela!”. Ele olhou com aquela cara de pastel, e só.

Como fez falta o Amaral, do Arretado.com!

Nisso tudo, eu nem sabia o tempo de prova.

Quando entramos na Boulevard João Barbosa, ai o pessoal começa o sprint… Mas antes da Padaria Piray, tem neguinho gente que prega. Eu só tento o sprint quando eu começo a enxergar os números no relógio do pórtico. Quando finalmente consegui ver, fiz as contas rapidinho e vi que daria para terminar abaixo de 55 minutos. Assunguei e, lembrando que vi 00:00:20 na largada, sabia que o meu tempo seria de no máximo 54’45”. Ótimo! Para quem tem treinado pouco, muito ótimo! Entre 437 cabras, fui o 189°. Entre 30-39 anos, dos 156 coroas, fui o 70°. No tempo oficial divulgado pela Chiptiming: 54’36”.

Medalha um pouquiiiiiiinho diferente. Tempo oficial: 54’36”. Recorde (particular).

Ao final, houve mais organização no trecho chegada-água-medalha-lanche.

Encontrei o Felipe, tesouramos algumas pessoas, sentimos falta dos sorteios, fizemos uma foto – na verdade ele me disse que nem ia correr, só foi pela foto – e depois chispei para casa. Minha mãe estava em Sobral e dentro de poucas horas já voltaria para Fortaleza.

Felipe Pereira (esq.) e eu.

Antes, porém, uma reflexão. Essa prova, para mim, é a mais legal de Sobral. No entanto, é uma prova que pode se tornar um perigo, uma vez que ela é gratuita (inscrições no site, com doação de 2kg de alimento no recebimento do kit) e só tem a distância de 10km. Boa parte dos participantes, não têm o costume de correr tal distância, muito menos sob o sol das 7h-8h de setembro (BRO) em Sobral (BRAL)! Acho que vale uma reflexão por parte da organização sobre a possibilidade de se criar a categoria de 5km ou, pelo menos, antecipar a largada para as 6h.

No mais, como sempre, nenhuma anormalidade ou aborrecimento. Ótima prova. Próxima semana tem a “Corrida da Grendene” com inscrições via e-mail ou telefone (anne.braga@grendene.com.br ou 3112 2912). Em novembro, mais duas corridas em Sobral (II Corrida da Academia Dry Fit, 19/11 e um Desafio Cross Run, 26/11) e mais uma em Fortaleza (21k Terra da Luz, 5/11). Novembro vai ser animado!

Resumo da prova:

Kit: Camisa boa + número de peito/chip ao custo de 2kg de alimento.
Balizamento: Ok, na medida.
Ambulância: Ok, presente.
Hidratação: Ok, na medida.
Lanche pós-prova: Ok, básico.
Medalha: “Metal”, mas um modelo um pouco diferente dos últimos anos. Simpática.
Premiação: Do 1º ao 5º na categoria geral e na categoria comerciário, feminino e masculino (de R$ 1.000,00, R$ 800,00, R$ 700,00, R$ 600,00 e R$ 500,00), além de premiação para a primeira colocada (e o primeiro colocado) por faixa etária no valor de R$ 500,00. Também houve a premiação para a categoria cadeirante, no valor de R$ 500,00.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

#42 – II Meia Maratona de Sobral

Metade do ano já se foi e só agora conquistei minha segunda medalha… E foi bem conquistada 😀 Parece que Sobral, definitivamente, tem um calendário de provas. Salvo engano esta foi a quarta prova em 2018 e confirmadas já estão pelo menos mais sete! A de ontem foi a nova queridinha dos corredores sobralenses: a Meia Maratona de Sobral – MMS, em sua segunda edição. Assim como em 2017 , ótimo custo benefício – inscrições entre 30 e 50 reais – e excelente premiação: mais de 36 mil reais. Prêmio em dinheiro, medalha e troféu para os três primeiros em cada distância (masculino e feminino), premiação por categoria, premiação especial para quem reside em Sobral, premiação para cadeirantes e paratletas. Tudo pago na hora. Chegou, ganhou. A divulgação começou um pouco mais cedo que em 2017 e me pareceu melhor: rádio, comercial naquelas TVs de shopping e supermercado, Facebook da prefeitura… No entanto, parece que os corredores demoraram um pouco para se empolgar com o evento. As inscriçõe

#58 – Corrida de 3 anos da Sprint Training

Hoje teve mais uma corridinha em Sobral. Em comemoração ao seu terceiro ano, a Sprint organizou uma corrida festiva nas distâncias de 3km, 5km e 10km. Inscrições custando 50 reais feitas diretamente com os professores da assessoria. Fiz a minha quase no final do prazo… Pensei no bolo de aniversário do ano passado, que tava muito gostoso, e resolvi ir. Kit retirado na noite da sexta-feira, oportunidade para conversar sobre os 100k completados na semana anterior pelo nosso treinador Celso Trindade. Também peguei os kits de duas vizinhas corredoras, Camilla e Lara. No dia seguinte, aproveitando que o sol está nascendo mais cedo nessa época do ano, saímos do nosso distrito às 4h30. Como sábado é dia de longão e a maior distância na corrida seria 10k, resolvemos ir já correndo, para totalizar algo entre 16k e 17k ao final. Abafado muito! Cesário (esq.), Alexandre e eu. Chegamos ao ponto de largada – Arco de Nossa Senhora – por volta das 5h20. Encontramos o povo da assesso

1ª Sprint Kids

Dentro do agitado calendário de corridas em Sobral e também em comemoração ao Dia da Criança, a assessoria Sprint Training organizou uma “corrida de pivetes”, a 1ª Sprint Kids. A divulgação se deu através de redes sociais e as inscrições custaram 30 reais, feitas diretamente com o prof. Wladir. Podiam participar atletinhas de 2 a 13 anos e, claro, os daqui de casa não iam ficar de fora… Na noite de sexta, dia 11 de outubro os kits foram entregues no point da Sprint no Centro de Convenções. Anderson e Wladir estavam lá e retirei sem problemas. No sábado o evento começaria às 6h30. Acordamos as 5h e as 6h10 estávamos na ótima pista de atletismo da Vila Olímpica de Sobral, onde o papai treina algumas vezes. Aliás, a Vila está com a reforma da piscina em andamento e a construção de uma quadra. Céu limpo. Sem uma nuvem sequer. A organização fazia os últimos ajustes na decoração do ambiente. O pessoal dos pula-pulas demorou a chegar – o que acabou atrasando o início do evento – e