Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2016

Fim de temporada (2016)!

Acho que 2016 vai ser lembrado como um ano sofrido… Ano de Impeachment, PECs, desastres com times de futebol, morte da Princesa, ano interminável (bissexto e com um segundo a mais!) e por ai vai. O Mundo está assustado e estranho. Porém, uma frase que trago comigo desde minha tenra juventude – ainda nos tempos de crisma, quando a gente sonha em mudar o mundo – é que devemos fazer todo o possível para mudar aquele mundo próximo de nós. Olhando por este lado, não tenho nada a reclamar de 2016. Muito pelo contrário: foi um ano de mais aprendizado, trabalho e persistência. Apesar de ser apenas uma passagem simbólica, a mudança de ano sempre nos leva à uma avaliação/reflexão do que fizemos nos últimos 12 meses. Não vou falar de coisas do campo pessoal e profissional. Vou falar de corrida de rua, claro. O ano praticamente se dividiu em dois: A.A. e D.A, ou seja, Antes do Assalto e Depois do Assalto. Antes do assalto eu corria pelas ruas de Sobral com alma de europeu: nada a temer.

#29 – 33ª Corrida do Fogo

Manter o ritmo, o foco e a motivação, tá difícil… São exatos 32 meses participando de corridas, mas nunca estive tão xôxo. Alimentação (mais ou menos) controlada, acordar cedo… Participar de corrida; Fortaleza-Sobral-Fortaleza… Apesar de incontestavelmente benéfico, chega uma hora que dá aquela vontade de jogar tudo pro alto e surfar com uma prancha de pizza num mar de sorvete. Mas ai eu penso um pouco e lembro dos exames de sangue, e passa. Bora correr. Ultimamente os treinos são mais legais do que as corridas. Ok, ainda tem aquele desafio de baixar (ou pelo menos manter) o pace de 5’30”, 6’00”, mas treinar tem sido mais legal… Acabou, tá em casa. Só que é bom ganhar uma medalhinha. O ritual de chegar em casa e levantar o Bacurau para que ele pendure a medalha, deve ser mantido. Então, quando der certo, me inscrevo. Ou me inscrevem, como aconteceu dessa vez. Nem sei quem fez minha inscrição, se o Válber ou a Adriana. Só sei que ao chegar na casa de minha mãe, o kit já estava