Pular para o conteúdo principal

#04 - Circuito das Estações - Etapa Verão

Imediatamente após a inscrição na Corrida do SESC em Sobral, eu já havia feito a inscrição na última etapa do Circuito das Estações em Fortaleza, etapa Verão. Como vinha seguindo a planilha me preparando para a prova na Princesa do Norte, resolvi me inscrever também para a prova de 10 km na prova da capital. O intervalo entre as provas seria de menos de um mês. Dia 10 de outubro.

Tal qual das outras duas vezes em Fortaleza, cheguei à capital na quinta. Fui pegar o kit na sexta juntamente com a Ju e o JC, de novo na Centauro do Iguatemi. Era hora de comprar um pisante novo e uma bermuda de compressão, pois com distâncias maiores, assaduras começavam a aparecer onde a costura do calção tocava. O desconto de 10% ajudou. O vendedor me alertou para algo que, mesmo apesar de tantas horas de estudos, eu não havia visto: o ideal é comprar um tênis um número maior, pois durante a corrida o pé incha! Respeitando meu teto orçamentário, comprei um Mizuno Wave Creation 5, número 41. Mas para a corrida do domingo, ainda usaria meu velho Mizuno número 40. Ali entendi o motivo de tanta dor nos dedos e até dormência nos pés depois de meia hora.

O antigo Mizuno número 40.
No dia da prova, fomos cedinho em busca de um bom local para estacionar. A largada estava marcada para o Aterro da Praia de Iracema. Para a concentração não tínhamos o mesmo conforto do jardim do Marina Park Hotel ou da Praça São Francisco. Mesmo assim, Ju, JC e minha sogra foram mais uma vez. Yes!

Ju e eu no nosso momento Must, enquanto JC se recusa a sair na foto, mesmo com sua vovó tentando convencê-lo.
Mais uma vez Paulinho Leme era o responsável pela locução do evento com seu famoso jargão: "Enquanto uns dormem, outros correm!" e no horário previsto deu-se a largada. Nas provas da O2, os participantes são divididos na largada de acordo com os tempos da prova anterior. Obviamente eu fiquei no pelotão Branco, o último. Se tivesse o pelotão Café com Leite, eu estaria lá.

Pessoal do pelotão Branco geralmente demora uns três ou quatro minutos até passar pelo portal de largada.

Apesar de não ser mais novidade, naquele espaço de tempo em torno do momento da largada, ainda senti aquele friozinho na barriga. Mas havia uma explicação: era a etapa final da "Missão 2014" e, apesar de ainda estarmos em outubro, me veio um filme de tudo que já havia me acontecido naquele ano. Principalmente por um fato em especial: passei uns dois anos da minha vida concentrando energia em um determinado projeto e na 'última curva', bum! Evaporação. Dessas coisas que não dão certo mas você não entende o que deu errado. As pessoas que deveriam, não te explicam direito o que de fato você fez de errado - se é que fez. Coisas que os meses passam e fica cada vez mais claro que tudo aconteceria da mesma forma, independente do seu esforço.

Por isso, aquela corrida não poderia dar errado. Eu tinha, como sempre, me preparado para fazer algo. Aquilo, sim, dependia de mim. Quatro provas em 2014. E lá estava eu na quarta.

A situação da prova anterior me fez treinar melhor para esta prova. Não era com o tempo de corrida que eu estava preocupado, mas sim em terminar bem e sem andar.

Estranhamente todos esses sentimentos me deram paz em vez de "faca-entre-os-dentes". Encontrei um ritmo lento, porém confortável, e foi a prova mais tranquila até então.

Tava tudo "sussa".
As pedras da Rua dos Tabajaras estavam fofinhas e a subida do IML, um mel. O sol parecia emanar apenas radiação infra-vermelha.

Ao ver a placa de 9 km, e com frequência cardíaca sob controle - baixa, até - o filme começou de novo em minha cabeça. Mas o final daquele longa de cerca de 1h18min que estava acontecendo ali, naquele momento, seria diferente. As coisas já tinham dado certo. 

Na curva final, ainda veio o último segundo de dúvida. O pórtico de chegada estouraria como bolha de sabão? Óbvio que não. E lá veio o JC para me puxar pelo braço e concluirmos a prova.

A Ju me esperava do outro lado e nos abraçamos. Sem trocarmos uma palavra, ela sabia exatamente o que eu sentia. Seu ombro me serviu de lenço e por alguns minutos aquela frustração se esvaiu em forma de lágrimas. Ali, eu tinha voltado a alcançar um objetivo. Mesmo se o pórtico tivesse virado poeira diante dos meus olhos, eu teria conseguido cumprir minha meta. Esta foi a conclusão. Ou seja, o projeto que lá em agosto 'deu errado', na verdade 'deu certo'. Aprender é ter êxito, ainda que as coisas não saiam como queiramos.

Missão Cumprida!

Ah, mas ainda é outubro...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

#42 – II Meia Maratona de Sobral

Metade do ano já se foi e só agora conquistei minha segunda medalha… E foi bem conquistada 😀 Parece que Sobral, definitivamente, tem um calendário de provas. Salvo engano esta foi a quarta prova em 2018 e confirmadas já estão pelo menos mais sete! A de ontem foi a nova queridinha dos corredores sobralenses: a Meia Maratona de Sobral – MMS, em sua segunda edição. Assim como em 2017 , ótimo custo benefício – inscrições entre 30 e 50 reais – e excelente premiação: mais de 36 mil reais. Prêmio em dinheiro, medalha e troféu para os três primeiros em cada distância (masculino e feminino), premiação por categoria, premiação especial para quem reside em Sobral, premiação para cadeirantes e paratletas. Tudo pago na hora. Chegou, ganhou. A divulgação começou um pouco mais cedo que em 2017 e me pareceu melhor: rádio, comercial naquelas TVs de shopping e supermercado, Facebook da prefeitura… No entanto, parece que os corredores demoraram um pouco para se empolgar com o evento. As inscriçõe

#58 – Corrida de 3 anos da Sprint Training

Hoje teve mais uma corridinha em Sobral. Em comemoração ao seu terceiro ano, a Sprint organizou uma corrida festiva nas distâncias de 3km, 5km e 10km. Inscrições custando 50 reais feitas diretamente com os professores da assessoria. Fiz a minha quase no final do prazo… Pensei no bolo de aniversário do ano passado, que tava muito gostoso, e resolvi ir. Kit retirado na noite da sexta-feira, oportunidade para conversar sobre os 100k completados na semana anterior pelo nosso treinador Celso Trindade. Também peguei os kits de duas vizinhas corredoras, Camilla e Lara. No dia seguinte, aproveitando que o sol está nascendo mais cedo nessa época do ano, saímos do nosso distrito às 4h30. Como sábado é dia de longão e a maior distância na corrida seria 10k, resolvemos ir já correndo, para totalizar algo entre 16k e 17k ao final. Abafado muito! Cesário (esq.), Alexandre e eu. Chegamos ao ponto de largada – Arco de Nossa Senhora – por volta das 5h20. Encontramos o povo da assesso

1ª Sprint Kids

Dentro do agitado calendário de corridas em Sobral e também em comemoração ao Dia da Criança, a assessoria Sprint Training organizou uma “corrida de pivetes”, a 1ª Sprint Kids. A divulgação se deu através de redes sociais e as inscrições custaram 30 reais, feitas diretamente com o prof. Wladir. Podiam participar atletinhas de 2 a 13 anos e, claro, os daqui de casa não iam ficar de fora… Na noite de sexta, dia 11 de outubro os kits foram entregues no point da Sprint no Centro de Convenções. Anderson e Wladir estavam lá e retirei sem problemas. No sábado o evento começaria às 6h30. Acordamos as 5h e as 6h10 estávamos na ótima pista de atletismo da Vila Olímpica de Sobral, onde o papai treina algumas vezes. Aliás, a Vila está com a reforma da piscina em andamento e a construção de uma quadra. Céu limpo. Sem uma nuvem sequer. A organização fazia os últimos ajustes na decoração do ambiente. O pessoal dos pula-pulas demorou a chegar – o que acabou atrasando o início do evento – e